Menu

Oficina: Corpo Oralidade

A vivência tem o objetivo de repassar linguagens corporais e musicais presentes na dança, canto e toques sagrados pertencentes as divindades e encantados do panteão afro-brasileiro. Visando divulgar e expandir heranças ancestrais, propondo possibilidades para o aprofundamento de educadores, peformers e artistas de todas as áreas que estejam interessados em fazer uma imersão nas expressões e corpo oralidades da dança negra.

Carga horária: 2h

Ministrante: Camilo Gan é pesquisador, músico, percussionista, dançarino, coreógrafo, compositor, construtor de instrumentos de percussão, educador musical, restaurador de acordeons e sanfonas, licenciado em música e ritual designer.
Começou a sua carreira profissional em 1998, e destaca com orgulho que a sua formação profissional se iniciou e está conectada principalmente aos saberes da cultura negra.
O seu comportamento de agitador cultural é artisticamente atuante principalmente em ações sócio educativas e produção de entretenimentos envolvendo os seus principais projetos:
Samba de Terreiro (propagar as origens do samba), Magia Negra Bloco Afro (desfazer feitiços racistas), Corpo Oralidade (dança fundamentada nos deuses africanos e encantados do Brasil), Babadan Banda de Rua (sopros e tambores), Perconcertos (concertos para monumentos e biomas urbanos).

Perfil dos Alunos: Público de todas as idades, gêneros, orientação sexual, etnia e espiritualidade, participantes do festival e demais interessados no tema.

Número de participantes: 25

Conteúdo Programático: Abordagem de ensino é simultaneamente prática e teórica garantindo aos participantes a oportunidade de vivenciarem a história e origem de cada corpo oralidade e suas linguagens, a saber:
● Dança, canto e toques sagrados dos Orixás / Voduns e Encantados: Boiadeiro / Cabolclo de Pena / Marujô / Damas da noite e malandros;
● Dança de colheita: Café;

Data

out 31 2020
Expired!

Horário

14:00